Amar é Comportamento

Acredito que um dos nossos grandes problemas, no que diz respeito as relações amorosas, é pressupormos que o amor já está dentro de nós, como por inatismo. Embora tenhamos a base neuropsicológica onde os nossos estímulos  ambientais são recepcionados e transformados em ação, como dito, é preciso que a pessoa esteja imersa no contexto social para que o “seu neuropsicológico” responda. Por outro lado convém dizer que o “comportamento” não é uma entidade “solta” no espaço social que “vai entrando” nas pessoas; o comportamento é um processo de interação entre a pessoa e o meio social que ela vive; e quando se fala em “o” comportamento, tem-se por parâmetros a dinâmica do processo, pois, em termos gerais e práticos, temos uma variedade de comportamentos, a considerar pessoa a pessoa, momento a momento, situação a situação, interação a interação.

Este livro é um convite a um exercício: que amar se aprende. É possível, e é possível porque amar é uma escolha; é uma decisão. Desta forma, o livro trata de processos padrões, não entrando em questões específicas no escopo da dinâmica do comportamento. E, sobretudo, porque o pano de fundo para toda argumentação da tese do livro – amar se aprende – é feito do lugar bíblico. E o texto bíblico é um texto que, em grande medida nos convida para trilharmos pelo caminho da renúncia.


Comente com Facebook

Frank Ribeiro

Teólogo e Psicólogo. Pós-graduado (especialização) em Bioética. Pós-Graduação em Docência do Ensino Superior Religioso. Pós-Graduado em Psicologia Organizacional. Mestre em Temas de Psicologia - Especialidade Família - Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto – Portugal, onde morou por três anos e meio, no desenvolvimento da dissertação do Mestrado. Temas de grande interesse: Missões, Hermenêutica, Conjugalidade, Relações Institucionais, Morte, Educação e Saúde Mental relacionada a Psicologia da Religião. Casado com Suely Ribeiro.