Marta & Maria

Tomo o exemplo de duas mulheres, na justificativa acima descrita, mas, se sabe, no reino de Deus, sob o patrocínio da graça redentora, não existe gênero. O chamado para servir e adorar coloca-se acima de gênero, da condição social, da capacidade intelectual, da identidade cultural, enfim. Marta e Maria aqui somos todos nós, servos e servas de Deus, homens e mulheres, servindo e adorando; adorando e servindo.

serviço e adoração nos chama na condição de salvos em Cristo, portanto, servos e servas. Assim, vamos analisar, pontualmente, a relação entre serviço e adoração, tendo como ponto de equilíbrio, o fiel da balança, a Palavra de Deus.

Este texto é uma reflexão! Então, vamos trabalhar três momentos: (a) a hospitalidade: serviço e adoração na visita de Jesus; (b) a adversidade: serviço e adoração na angústia; (c) e a gratidão: serviço e adoração na ação de graça.

Nestes três momentos temos um fio condutor intercambiável: Marta: a mulher do cuidado de Jesus, e Maria: a mulher dos pés de Jesus. Esta será a atitude comum à Marta e Maria, nestes três momentos. Vou me prender aos fatos da narrativa bíblica, de forma expositiva, mas, quando em vez, articulando semanticamente alguns termos chaves nas narrativas.


Comente com Facebook

Frank Ribeiro

Teólogo e Psicólogo. Pós-graduado (especialização) em Bioética. Pós-Graduação em Docência do Ensino Superior Religioso. Pós-Graduado em Psicologia Organizacional. Mestre em Temas de Psicologia - Especialidade Família - Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto – Portugal, onde morou por três anos e meio, no desenvolvimento da dissertação do Mestrado. Temas de grande interesse: Missões, Hermenêutica, Conjugalidade, Relações Institucionais, Morte, Educação e Saúde Mental relacionada a Psicologia da Religião. Casado com Suely Ribeiro.