MARTA & MARIA: UM REFERENCIAL DE SERVIÇO E ADORAÇÃO

Considero a vida cristã como uma balança, não as balanças digitais, as modernas, mas as antigas, que tinham dois pratos, onde de um lado ficava o peso e do outro o produto. Assim, sabemos quem determina o equilíbrio entre peso e produto é aquele ponto que chamamos fiel, o fiel da balança.

Nós, como servos de Deus, temos estes dois lados em nossas vidas. No meu modo de entender, o fiel da balança, metaforicamente falando, na vida do cristão, é a Palavra, a Palavra de Deus. Porém, o grande desafio de todos nós, cristãos, é manter o ponto de equilíbrio; é manter o fiel da balança no lugar certo. A prática da Palavra de Deus, a Bíblia Sagrada, pressupõe ações, além da leitura, que venham qualificar e dar o sentido a utilidade desta leitura.

Sendo a Palavra de Deus o fiel desta balança, poderíamos considerar, dentre muitas outras coisas, como sendo conteúdo e peso, para que se tenha o equilíbrio: evangelização e ensino, serviço e adoração, disciplina e terapia, amor e justiça, essência e existência, oração e louvor, forma e conteúdo, austeridade e lazer, entre tantos e tantos.

Quando perdemos o ponto de equilíbrio, perdemos os referenciais. Não havendo referenciais, os processos se tornam perversos, sobretudo, os relacionais, onde a imposição das “leis relacionais” se torna uma ação psicótica dos que detém, de alguma forma, o poder. A Palavra de Deus tem força de lei, mas uma lei referenciada no âmbito da graça, onde o elemento catalisador se firma na ação comunitária, portanto, na comunhão e na equidade.

De tantas possibilidades que temos de reflexão, tendo a Palavra de Deus como fiel desta balança chamada vida cristã, quero fazer o destaque entre serviço e adoração. Por que escolhi estes dois elementos? Por causa dos textos bíblicos que nos servem de referência reflexiva, e, por conseguinte, a presença das duas personagens que tematizam este livro.

Tomo o exemplo de duas mulheres, na justificativa acima descrita, mas, se sabe, no reino de Deus, sob o patrocínio da graça redentora, não existe gênero. O chamado para servir e adorar coloca-se acima de gênero, da condição social, da capacidade intelectual, da identidade cultural, enfim. Marta e Maria aqui somos todos nós, servos e servas de Deus, homens e mulheres, servindo e adorando; adorando e servindo.

O serviço e adoração nos chama na condição de salvos em Cristo, portanto, servos e servas. Assim, vamos analisar, pontualmente, a relação entre serviço e adoração, tendo como ponto de equilíbrio, o fiel da balança, a Palavra de Deus.

Este texto é uma reflexão! Então, vamos trabalhar três momentos: (a) a hospitalidade: serviço e adoração na visita de Jesus; (b) a adversidade: serviço e adoração na angústia; (c) e a gratidão: serviço e adoração na ação de graça.

Nestes três momentos temos um fio condutor intercambiável: Marta: a mulher do cuidado de Jesus, e Maria: a mulher dos pés de Jesus. Esta será a atitude comum à Marta e Maria, nestes três momentos. Vou me prender aos fatos da narrativa bíblica, de forma expositiva, mas, quando em vez, articulando semanticamente alguns termos chaves nas narrativas.

Todavia, para que os elementos reflexivos sejam construídos de forma coerente e possa explorar da melhor forma possível as entrelinhas do Ato Narrativo, naturalmente, será preciso fazer articulações de conteúdo que seja inerente à estrutura do Fator Narrativo. Desta forma, para que se perceba o Ato Narrativo, é preciso que se busque o Fator Narrativo. O Fator Narrativo são os elementos que dão visibilidade ao Ato Narrativo. Por exemplo, se percebe no Ato Narrativo a hospitalidade em Marta, Maria e Lázaro, devo supor que, como Fator Narrativo, a hospitalidade na vida desta família era algo peculiar. Assim, só existe Ato porque há um Fator regente.

Apesar de ser um texto devocional, não consegui fugir do meu estilo investigativo na busca de uma centralidade bíblica. Desta forma, peço ao leitor não familiarizado com o texto grego que não se preocupe com a forma escrita nas línguas bíblicas originais, foque, pois, a transliteração e centralize atenção no significado. Utilizei os termos em grego na sua grafia para manter o vínculo semântico e o espírito estilístico do que estou tentando deixar mais claro no contexto dos comentários.

Vamos lá!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *