Você não pode copiar o conteúdo desta página
Reflexões Sociais,  Textos

Sempre que Chove

Sempre que tem grande chuvas, que provam o caos nas grandes cidades, e, os já conhecidos “deslizamentos” de terra, começa as especulações em todos os setores e em todos os sentidos. A mídia começa a informar a situação caótica que se abate sobre as cidades; e sempre o velho jargão sobre “as regiões mais atingidas pelo temporal”, e, como se sabe, parece ser sempre os de sempre. Mortos, milhares de desalojados e aos milhares de desabrigados. Os políticos dão entrevistas a todo o momento, fazem recomendações… A mídia entrevista todo tipo de gente: macumbeiros, meteorologistas, especialistas em hidrografia, em trânsito, em urbanização, em comportamento humano, etc, etc.

Fico me perguntando se os resultados da ação da natureza sobre as pessoas não podem ser menores. Se considerarmos alguns elementos que cercam as tragédias (anunciadas, mas sempre negligenciadas), creio que os resultados seriam somente o “natural” considerando a quantidade de água que caio sobre as cidades.

Todavia, os desvarios cometidos tanto pela população quanto pelos administradores públicos contribuem significativamente para dimensionar o que temos visto anos após anos.

Começando pela questão política que cerca a cidade: desvios de verbas públicas, superfaturamento em obras, nepotismo, os mensalões não revelados pela mídia, mas que, certamente, correm a solta dentro do sistema da administração pública; o jogo de interesse partidário que pensa mais nos ganhos pessoais dos dirigentes dos partidos do que no bem-estar do povo; o peculato, os subornos, as depredações e as tranquibérnias de um governo federal (do ex-presidente Lula da Silva) viciogênico com tendências ditatoriais, que mantém programas como a bolsa família meramente com fins eleitoreiros, levando a massa a manter a cegueira e não lutar, brigar, ir para rua gritar que se faça melhorias estruturais no país.

Por outro lado, a sociedade sob vários aspectos, que se deixa prostituir socialmente: construtores inescrupulosos; corretores de imóveis sanguessugas; ocupação desordenada em áreas inapropriada para construção; moradores inconscientes, pois, jogam lixo onde não se deve jogar… Explosão demográfica nas grandes cidades… Desertificação das pequenas cidades… Enfim… O homem colhe exatamente o que planta! E as eleições vêm e passam e problema continua!

A natureza não está nem ai… Vai chover… E as conseqüências são previsíveis… Não só no Rio de Janeiro, Santos, Belo Horizonte, Recife, Salvador, enfim, mas todo Brasil… De que se queixa o homem?

Comentário

Deixe o seu comentário

%d blogueiros gostam disto: