Entre o grande e o pequeno

“É mais fácil o grande ficar pequeno do que o pequeno ficar grande”.

Muitos podem não concordar com a frase acima, que não é minha! Mas, esta frase me levou a pensar, de forma que pensei absolutamente na minha ínfima condição humana, na minha historicidade, na caducidade, decrepitude, senilidade, destarte, na minha transitoriedade, no meu passamento. Desta forma, pensei em Deus. Em Jesus. Na kenosis.

Alguém disse com muita propriedade que “no Sinai, Deus estabeleceu o padrão para o homem se chegar a ela”. E acrescenta: “Mais ou menos assim ‘Bom, eu sou MUITO santo. Pra vocês se achegaram a mim terão de ser MUITO santos’. Mas, “o homem tentou, tentou, e nada. Era difícil, quiçá, impossível ao pequeno ficar grande”.

Mas então, aconteceu o que os teólogos chamam de kenose ou kenosis. Surpreendentemente, ilogicamente, o terrivelmente grande ficou absurdamente pequeno Mas isso é um absurdo total. Imaginário! Foi possível, pois “o verbo se fez carne”, mas não somente se faz carne, ele “habitou entre nós” (João 1:1,14).

É impressionante como aquele que tudo era resolveu nada ser para que os que nada eram nEle fossem algo. Não tenho dúvidas que teologicamente, do ponto de vista da soteriologia, a kenosis só se aplica a Jesus. Mas, que teologicamente do ponto de vista do cristianismo, se aplica a todos nós. Portanto, todos nós precisamos de uma; disto precisamos, e como precisamos. Paulo, o apóstolo diz:

“Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, pois ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus; antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana, a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz. Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai.” (Filipenses 2:5-11).

Então, neste sentido, é mais fácil o grande ficar pequeno do que o pequeno ficar grande”, porque do grande se tira, no espaço do pequeno não se cabe mais, pois, já em si mesmo pequeno. Jesus é o grande que ficou pequeno. Enfim: “Nada façais por rivalidade nem por vaidade; pelo contrário, cada um considere, com toda a humildade, as demais pessoas superiores a si mesmo” (Filipenses 2:3)

Facebook Comments