Você não pode copiar o conteúdo desta página
  • Conjugalidade,  Livros,  Séries

    Um casamento não nasce flor

    Um casamento não nasce flor, ele surge a partir de dois ramos, um macho e uma fêmea. Para que o casamento se configure como flor, a flor da conjugalidade, formando uma identidade conjugal, estes dois ramos precisam florir, ou seja, precisam evoluir da condição de ramo para condição de flor, iniciando o processo como um botão floral. Um casamento só será fecundo, se seus atores estiverem dispostos a fecundar ou se deixarem fecundar. Caso contrário, serão estéreis afetivos por toda vida e nenhum casamento suporta uma esterilidade afetiva. O Espírito Santo é o polinizador das virtudes do relacionamento conjugal, mas, como na flor, ele precisa ser atraído para a parte…

  • Conjugalidade,  Livros,  Séries

    Identidade Conjugal

    Os dois indivíduos que compõe o casal continuam sendo pessoas individualizadas, pelo menos, é o que se espera. Todavia, o que se espera, na vivência relacional, é que estes dois indivíduos – macho e fêmea – assumam o projeto da conjugalidade. Este projeto da conjugalidade, é que a autora, anteriormente referida, chama de “identidade conjugal”. Portanto, em termos efetivos da dinâmica conjugal, não existe uma “unidade conjugal”, pois os sujeitos da relação sempre serão indivíduos; haverá sim, a construção da identidade conjugal, e, por assim dizer, uma identidade conjugal que sempre refletirá os aspectos da individualidade dos dois indivíduos da relação. A identidade conjugal nunca será alheia a individualidade, e,…

  • Conjugalidade,  Livros,  Séries

    Amar é sempre hoje

    Amar é sempre hoje, amanhã é só possibilidade! No relacionamento conjugal, não há espaço para analfabetismo amoroso, pois, AMAR SE APRENDE. Ninguém é indesculpável de “não amar”. Amar é sempre possível! Aos analfabetos do relacionamento amoroso devo dizer: amar se aprende. E aos analfabetos funcionais do relacionamento amoroso, digo: amor não se sente, amor se faz! Por isto, quer aos analfabetos de fato, quer aos funcionais, alerto: ainda há tempo de aprender a amar. Diante disso, devo ainda dizer que não se ama por milagre, mas quando se aprende a amar, como uma construção dia a dia, momento a momento, o amar faz milagres. O amar transforma vidas, transforma situações.…

  • Livros,  No Prelo

    Missio Dei – João Batista

    O que é Missio Dei? Em linhas gerais é a Missão de Deus, ou “o envio de Deus”. Embora, em termos práticos, seja hoje um conceito de domínio público, os especialistas marcam, historicamente, o ano de 1943, quando Karl Hartenstein, um missiólogo alemão, cunhou a frase em resposta a Karl Barth; mas foi Georg Vicedom, teólogo luterano, que durante a Willingen conference of the International Missionary Council (IMC), em 1952, quem desenvolveu, teologicamente, o conceito. Deste da metade do século 20, o termo passou configurar no contexto da Teologia de Missões e da própria missiologia, como um conceito-chave. Dentre tantos autores que fazem uso do termo, quero fazer menção de…

  • Livros,  No Prelo

    Consumidores de Oráculos

    (No livro “Epithymia: Entre o Gospel e o Evangelho”). Todos nós, seres humanos, em grande medida, não consumimos por necessidade, mas por demanda. Somos consumidores fabricados! Os especialistas em psicologia da propaganda têm uma máxima infalível: Se oferece ao público apenas o que ele quer consumir. Da quantidade de roupas, sapatos, celulares, carros, perfumes, até gêneros alimentícios que, muitas vezes, estragam no armário, pois a nossa necessidade não foi suficiente para consume-lo, apenas a demanda foi suficiente para comprar. Roupas que, muitas vezes, a única vez que usamos é quando provamos na loja…enfim! Todavia, na perspectiva dos consumidores de oráculos, a questão torna-se essencialmente delicada, pois o consumo passa pela…

  • Livros,  Trilogias

    Perdão

    (No livro Porque José Chorou) Uma lista compilada por uma empresa britânica com as opiniões de mil tradutores profissionais coloca a palavra “saudade”, em português, como a sétima mais difícil do mundo para se traduzir. A relação da empresa Today Translations é encabeçada por uma palavra do idioma africano Tshiluba, falando no sudoeste da República Democrática do Congo: “ilunga”. “Ilunga” significa “uma pessoa que está disposta a perdoar qualquer maltrato pela primeira vez, a tolerar o mesmo pela segunda vez, mas nunca pela terceira vez”. O que a Bíblia diz sobre o assunto? Jesus falando aos seus discípulos sobre a necessidade de perdoar, é interrogado por Pedro: “Senhor, até quantas…

  • Devocionais,  Livros

    Lázaro: O Código!

    Lázaro ficou enfermo, Marta e Maria mandam uma mensagem para Jesus, dizendo: “aquele que tu amas está enfermo”. Nesta família Lázaro representava a “força”, além disto, representava a família nos aspectos que, no contexto daquela cultura, demandavam a masculinidade. Para esta família, Lázaro é um símbolo muito especial. Para aquelas duas mulheres, perder este referencial foi muito angustiante, como o é a perda de um familiar, sobretudo, aquele de grande proximidade. Dor é a palavra! Como se sabe, as pessoas reagem de formas diferentes diante de perda ou da ameaça da perda! Neste sentido, Bousso (2008) afirma que: O impacto perturbador da morte ou da ameaça de perda sobre o…