• Reflexões Sociais

    Um bicho inominável.

    O ser humano é apenas um bicho inominável. Inacabado desde a sua concepção. Complexo por constituição, onde milhares de gametas se perdem, para que, quando um sobrevive, possa aventurar-se, sem garantias absolutas, em construir o animal mais imprevisível da existência: inominável, impenetrável, surpreendente, impermeável, que se acessa iludindo e iludido. Um bicho não como caracterização desconhecida da existência possível, do não catalogado, mas como não-possível essencial. Bicho que se metamorfoseia; que arranha sem tocar; que envenena sem morder; que deixa para o dia seguinte, e para o outro dia ainda, o que não foi possível fazer hoje. Imaterialidade difusa no corpo, que se contorce nos desejos da arbitrariedade do devir…

  • Reflexões Sociais

    Sem consciência histórica

    Sem consciência histórica, qualquer manifestação transformar-se-á húmus para os políticos de carreira. Tenho lido inúmeros comentários feitos por pastores, bispos, apóstolos, profetas, doutores em divindade e políticos “crentes”, “evangélicos”, “protestantes”, “pentecostais”, “neo-pentecostais”, filósofos, sociólogos, psicólogos, psicanalistas, médicos, advogados, administradores, geógrafos, biólogos, ufólogos, e escambau, etc, etc, feitos nas redes sociais, nomeadamente, no Facebook, sobre os protestos no Brasil. A todo instante surge um protesto, um boicote, um posicionamento contra isto e aquilo! Sem falar nas tão famosas NOTAS DE REPÚDIO. Chega a ser chato, em muitos casos! Todavia, sobre o essencial, a cada dia, só se observa o distanciamento; o distanciamento do núcleo da dignidade humana. Não sou especialista em…

  • Reflexões Sociais

    Grupos: Uma necessidade

    O grupo é inevitável por necessidade existencial, de sobrevivência. O grupo é potência social. Aristóteles diz que o “homem é, por natureza, um animal político”, que assim, por conseguinte, é um ser social. Uma vez, ainda segundo Aristóteles, “um instinto social é implantado pela natureza em todos os homens”[1]. O único espaço possível onde o homem tem possibilidade de evidenciar o seu instinto social e, consequentemente, a sua humanidade é no grupo; fora do grupo o homem é apenas uma possibilidade polimórfica da sua animalidade. Heidegger diz, em relação à linguagem, que o homem é apenas potencialmente capaz: “o ser do homem, caracteriza-se como zoos lógon exon ζωος λόγον εχον…

  • Reflexões Sociais

    Estou chegando: a ética do celular

    Não há dúvidas que as novas formas de socialização patrocinadas, sobretudo, pelas mídias digitais, têm exercido uma forte influência na forma de ser do homem hodierno. Novas linguagens surgem, novas formas de se comportar, novos espaços. Hoje, um dos termos que mais expressivos é cibernético, isto porque, este termo tem dado origem a outros termos. Por exemplo: cibercultura, ciberpunk, ciberdemocracia, cibercidadania, ciberativismo, cibercidades, etc. Como sabemos a “cibernética é uma teoria dos sistemas de controle baseada na comunicação entre o sistema e o meio, assim como no interior do sistema e na retroalimentação das funções do sistema pelo ambiente”. Esta teoria “foi criada por Norbert Wiener e é parte da…

  • Expressão de Espiritualidade,  Reflexões Sociais

    Sempre que ocorre um evento suicida

    Sempre que ocorre um evento suicida, velhos “textos” começam a circular nas redes sociais. E estes “textos”, para tentar mostrar certa autoridade, citam uma pesquisa do Instituto Schaeffer. Mas, devo dizer que, de alguma forma, estes textos são interessantes, não em si mesmos, pois é uma montagem de Ctrl T, Ctrl C +Ctrl V. Por exemplo: os dados citados pesquisa do Instituto Schaeffer (em contexto americano) são de 1989; são dados de 31 anos atrás, num contexto sociocultural totalmente diferente do nosso. São interessantes porque denunciam um comportamento de modismo nas trágias alheias. Os “autores” deste texto nem se dão o mínimo de trabalho de pesquisar para saber de tal…

  • Reflexões Sociais

    Canibalismo visual (digital) pós-moderno

    Sempre me causou indignação ver as pessoas filmando e fotografando todo tipo de tragédias, sobretudo fatais envolvendo pessoas, inclusive crianças. A pergunta que me faço é a seguinte: O que leva uma pessoa a fotografar e filmar pessoas mortas num acidente? Qual o destino que estas pessoas vão dar a estas imagens e filmes? Será a mera publicação em redes sociais? Qual o tratamento de sentido (social e humanitário) é dado a estes conteúdo? Será um tipo de canibalismo visual (digital) pós-moderno que se sustenta na irrefreável alteração do ser humano lidar com as coisas-do-mundo? Filmar/fotografar pessoas mortas em qualquer lugar tende a ser normal? É cada vez mais comum,…

  • Reflexões Sociais

    O Brasil

    Violência em todas as esferas e em todos os sentidos! Mães desconfiam dos seus próprios maridos na relação dos filhos; maridos bandidos que destroem suas esposas. Patrões que monitoram os empregados sem critérios éticos; empregados que tramam contra os patrões. Corrupção! Nepotismo! Insegurança! Medo! Promiscuidade no setor público e privado; prevaricação; suborno de homens públicos; executivo inoperante, legislativo dominado pelo lobby; judiciário comprometido e refém do crime organizado! Universidades públicas que cumprem o seu papel social porque estão engessadas pela ideologia político-partidária; educadores refém de alunos “pai-e-mãe”. Brasil! É possível! É possível mudar, creiamos nisto!

  • Reflexões Sociais

    Amigos, não.

    Depois de ter visto umas das séries que mais gosto – criminal minds – na velha mania de não desligar logo a TV, mudei de canal. Logo entrou um comercial de uma operadora de telefonia móvel. O comercial mostra uma promoção, e tal… Depois do personagem-empresa apresentar as vantagens do plano, então, o personagem, que representa o consumidor, diz: “Então vou avisar todo mundo”, ato contínuo, o outro personagem, representando a empresa, diz: “Os amigos?”. O personagem-consumidor, diz: “Não, meus seguidores”. Fiquei pensando sobre o comercial, e aqui estou, postando! Parece-me que, ter seguidores, aos milhares, é um reforço à demanda da necessidade de afirmação no cenário da nova ordem…

  • Reflexões Sociais,  Textos

    Sempre que Chove

    Sempre que tem grande chuvas, que provam o caos nas grandes cidades, e, os já conhecidos “deslizamentos” de terra, começa as especulações em todos os setores e em todos os sentidos. A mídia começa a informar a situação caótica que se abate sobre as cidades; e sempre o velho jargão sobre “as regiões mais atingidas pelo temporal”, e, como se sabe, parece ser sempre os de sempre. Mortos, milhares de desalojados e aos milhares de desabrigados. Os políticos dão entrevistas a todo o momento, fazem recomendações… A mídia entrevista todo tipo de gente: macumbeiros, meteorologistas, especialistas em hidrografia, em trânsito, em urbanização, em comportamento humano, etc, etc. Fico me perguntando…

  • Reflexões Sociais,  Textos

    La casa de papel: a ilusão do mal benéfico

    La casa de papel: a ilusão do mal benéfico. É inegável a excelência cinematográfica da série “La Casa de Papel”. A série está de volta com a terceira temporada, com oito episódios. Sem entrar em detalhes sobre temporadas anteriores, e nem da atual, convém dizer que é muito claro o discurso político e todos os temas que o serpenteiam. Todavia, quero voltar a minha atenção a proposta do título deste post! Tanto nas temporadas anteriores, como nesta, fica claro o discurso que o mal pode ser benéfico, não importando, se os meios sejam inescrupulosos, que viole os princípios elementares do direito individual e coletivo. Existe um “cortina de fumaça”, sobre…

Você não pode copiar o conteúdo desta página